mensagem

 

Base Bíblica: Mateus  23:15

 

Você sabe o que quer dizer “fazer prosélito”, ou “proselitismo”? Não? Quer dizer “converter” alguém para sua religião, ou para suas idéias. Será que é bom fazer isso? Será que você e eu entendemos como se faz isso? Creio que precisamos ver o que Jesus falou sobre essa prática. Você concorda comigo? Então vamos descobrir. Quando o Mestre falou com os escribas e fariseus (os religiosos daquele tempo) Ele falou especificamente desse assunto, leiamos novamente o texto de Mateus 23:15, você está vendo a frase filho do inferno. Isso mostra a gravidade (e a origem) desse mal. “Fazer prosélito” é uma das práticas mais danosas que existe no meio da igreja. E você sabe por que? Porque ela torna a pessoa “filho do inferno”. Provavelmente o “fazer prosélitos” seja a operação mais sutil, maligna e danosa que Satanás é capaz de inspirar no  meio da igreja. Que você e eu jamais caiamos nesse terrível erro! Mas... esteja certo, meu prezado irmão, se não formos vigilantes, satanás facilmente nos enganará, pois fazer proselitismo aparenta ser um procedimento razoável e acertado. Mas... estou correndo muito e não quero fazer confusão em sua cabeça. Assim... vamos por partes. Antes de Jesus falar sobre essa terrível prática de “fazer prosélitos”, isto é, converter pessoas para uma religião ou idéia, o mestre assim falou: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas” porque FECHAIS O REINO DOS CÉUS. Diante dos homens; pois vós não entrais, nem deixais entrar os que estão entrando” (Mateus 23:13).

           O interessante nisso é a relação que Jesus faz, nos dois versículos citados, entre “O reino dos Céus”, o “fazer prosélitos” e “inferno”. As pessoas não gostam de falar sobre o inferno, mas Jesus ensinou muito sobre essa condenação, que é conseqüência do pecado, da mentira e da desobediência.

           Você precisa lembrar que estamos falando de “hipócritas” – aqueles no meio da igreja que chamamos de “atores cristãos” porque não praticam a Verdade, não fazem (não vivem segundo) o que dizem. Na citação acima tais pessoas eram “conhecedores” da verdade, mas só isso, meu prezado irmão, temos de ter muito cuidado com isso! É muito perigoso tomar conhecimento da verdade e não andar segunda Ela. Na citação acima, Jesus disse que os religiosos sabiam tudo sobre “o Reino dos Céus”, mas não entravam nele. Isso era conveniente porque os seus interesse eram outros.

           Infelizmente há muitas pessoas no meio da igreja em nossos dias que não praticam (não vivem de acordo com) a verdade pois não lhe é conveniente, os seus interesses são outros. Está me entendendo? É triste dizer isso, mas é fato que não são todas as pessoas na igreja que buscam a Deus, ou seja, não são todos que atentam no seu proceder de modo a desenvolver um relacionamento correto e íntimo com Deus dentro do padrão expresso pelo salmista no Texto a seguir: “Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova dentro em mim um espírito inabalável” _ Salmos 51:10.

           As pessoas na igreja que não se preocupam em manter puro o coração, caem em toda espécie de engano e jamais chegam a ter com Deus um relacionamento que o faz “filhos da luz”. Para essas pessoas, para esses “atores cristãos”, o salmista faz uma observação muito importante: “Quem subirá ao monte do Senhor? Quem há de permanecer no seu santo lugar? O que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma a falsidade, nem jura dolosamente. Este obterá do Senhor a benção e a justiça do Deus da sua salvação” (Salmos 24:3-4). Isso é um resumo perfeito de tudo a que Jesus se referiu quando falou a respeito do “Reino dos Céus” e dos “atores cristãos” (os religiosos) não entraram nEle. Você está me acompanhando, não está? Ótimo! Bem, Jesus disse algo ainda mais pesado: aquele que “fala”, mas não faz, que “conhece” a verdade, mas não a pratica: não apenas “não entram no Reino dos Céus(ele) não deixa entrar os que estão entrando”. Veja só a gravidade de ser apenas um “ator” na igreja. Tal pessoa (irmãos) não somente prejudica a ela mesma, mas também impede que vivam no Evangelho aqueles que nEle “estão entrando”. Parece-me que ignoramos (talvez de propósito) uma afirmação do Apóstolo Paulo: “Nenhum de nós vive para si mesmo, nem morre para si” (Romanos 14:7). Meu prezado irmão, preste atenção! Vivemos no meio de uma  SOCIEDADE MUITO EGOÍSTA.

           As pessoas somente se preocupam consigo mesma: (Se você ler todo o capítulo 23 de Mateus e especialmente o versículo 4, você verificará que esse foi o grande mal dos escribas e fariseus). Na realidade, o que você e eu somos, como cristãos, tem um efeito positivo ou negativo sobre todos os homens e principalmente sobre aqueles que “estão entrando” no Evangelho. Se você, meu prezado irmão, sabe em Deus quem você não está realmente “vivendo” (de verdade) o Evangelho, esteja certo de uma coisa: o seu procedimento não somente prejudica e impede você de viver na vitória que Cristo conquistou para nós na cruz do Calvário, mas ( e isso é  muito sério) ele também IMPEDE OUTROS de entrarem na prática verdadeiro do evangelho.

           Pense bem nisso! Jamais podemos dizer, em relação ao nosso próximo: eu não tenho nada com o que ele faz: se ele não viver o Evangelho, é problema dele. Não, meu prezado irmão, a coisa não é tão “fácil” assim Jesus disse: “Não há árvore boa que dê mau fruto, nem tão pouco árvore má que dê bom fruto” (Lucas 6:43). Ou fazei a árvore boa e o seu fruto bom, ou  árvore má e o seu fruto mau”. (Mateus 12:33). Será que você está vendo como é importante o que você faz e não somente o que você diz? Em sua mensagem às igrejas, o Espírito disse: “Conheço as tuas obras, que nem és frios nem quente. Quem dera fosses frio, ou quente! Assim, porque és mormo, e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-se de minha boca” (Apocalipse 3:15-16). Com isso espero que você esteja começando a entender o que quero dizer “fazer prosélitos”, que é um procedimento muitíssimo danoso.

           Aquele que na igreja não tem “coração puro” e não vive de acordo com a verdade está no “jogo” de fazer com que o outro seja “filho do inferno duas vezes mais do que ele mesmo” (Mateus 23:15). Está é uma verdade assustadora, não é mesmo? Proceder na igreja como se ali fosse apenas um “clube social” tem conseqüências muitas sérias não somente para o “ator” mas também para as pessoas do seu convívio. Sabe por que? Porque “uma vez feito” (o proselitismo) você terá levado essas pessoas a serem e procederem exatamente como voe mesmo é e procede, ou seja: você faz do seu próximo (aquele que observa o seu procedimento no Evangelho) um “filho do inferno” como você mesmo é. Absurdo? Espere lá, meu prezado, estamos falando daquele que é um “ator” cristão.

           E, não sou eu que inventei essas palavras, elas estão aí mesmo na sua Bíblia, verifique. Eu apenas tento fazer com que você as observe. O apóstolo Paulo recomenda: “Examinai-vos a vós mesmos se realmente estais na fé: provai-vos a vós mesmos” (II Coríntios 13:5). A máscara de simplesmente “fazer adeptos da igreja” ao invés de “gerar filhos na fé” é um disfarce muitíssimo danoso.

           Se você quiser, você pode compreender agora por que Jesus disse: “Vós não entrais, (no reino dos Céus) nem deixais entrar os que estão entrando” (Mateus 23:13. É isso que quer dizer “fazer prosélito”. Será que esse mal existe no meio cristão em nossos dias? Será que você entende agora por que Jesus disse aos religiosos: “Ai de vós....”?

           Você e eu, prezado, temos de ser muito vigilantes em relação ao “fruto” que damos. Você entende isso não?

           Jesus disse que pelos frutos conhecereis os que são seus discípulos, agora é hora de fazermos uma reflexão dos nossos atos, atitudes, gestos e procedimentos, estamos exaltando a Cristo em tudo? Se não então veja o que estás praticando, será um prosélito? Reflita, e deixe que o Espírito Santo lhe mostra no seu íntimo, e procure viver  e praticar a Palavra e tu serás uma benção. Um grande Abraço. Ministro Luzz Adonnay.

 

supervisao